Arquivo morto

O gorgulho brasileiro

Não, não há erro no título desta postagem. Gorgulho – também conhecido como caruncho ou carcoma – para quem não sabe, é um inseto que perfura sobretudo madeira, cereais e feijão, reduzindo-os a pó. Aqui no Brasil, depois da fama do corrupto (crustáceo decápode cavador) ter alcançado a política, é a vez do gorgulho, já que está difícil ter orgulho de ser brasileiro.

O Brasil não é um país sério

Esta frase teria sido dita por Charles De Gaulle, em 1963, no auge da Guerra da Lagosta – conforme livro do Embaixador Carlos Alves de Souza Filho em seu livro “Um embaixador em tempos de crise”, publicado em 1979. E aí os brasileiros resolveram criticar o Presidente francês, dizendo que ele estava metendo seu grande nariz onde não era chamado. Mentira, ele foi chamado. E pior, tinha razão.

Aquele que acredita que o Brasil é sério está fazendo piada, assim como os políticos fazem piada com tudo, colocando o povo como palhaço da história.

Bem, desta vez vou deixar os políticos de lado. Os noticiários estão aí para quem quiser ver em vez de se fazer de cego ou burro.

Hoje vou divagar sobre a seguinte questão:

Por que é que o Brasil é assim?

O Governo sempre põe a culpa no povo, e o povo a aceita. Vejam o caso do dólar: “Culpa do povo” – diz o Governo – “que saiu correndo atrás de dólar“.

Mentira, mentira, mentira. O próprio Governo queria que o dólar se valorizasse, por isso andou comprando e vendendo dólares no mercado para conseguir seu intuito. As pessoas estavam preferindo ir aos Estados Unidos para fazer compras, pois encontram lá tudo com mais qualidade e mais barato que aqui. Ninguém viu aquela moça que foi entrevistada quando comprava o enxoval do bebê nos “States”, mesmo sem estar grávida? Por que, oh, mundo cruel?!

Pois é, enquanto o dólar estava valendo menos e era estável, até cheguei a comprar algumas coisas no Exterior, pela internet. Mas, não foi por causa do preço do dólar, e sim porque aqui não tem o que a gente encontra lá fora quando se trata de programas, sistemas, aplicativos, templates, enfim, tudo que se refere à informática e internet. Aqui um moleque imberbe quer cobrar 500 reais para escrever duas linhas de código em PHP, enquanto lá uma empresa qualificada vende um sistema inteiro, pronto e funcionando, por esse preço, quando não o oferece de graça!

É claro que sempre há os dois lados da moeda. Agindo como brasileiros está, por exemplo, a Microsoft. Ela faz de tudo para amarrar você e torná-lo refém, e ainda cobra por isso; enfia pela goela dos leigos e crédulos amadores um navegador pesadíssimo e cheio de “pegadinhas” enquanto o Google aperfeiçoa cada vez mais seu Chrome, e a Mozilla, o Firefox, que dão de dez a zero no concorrente mais famoso.

No que se refere aos recursos de informática e internet, basta fazer uma pesquisa para constatar que tudo que você precisa existe nos Estados Unidos, Europa e Índia (esta vem crescendo uma barbaridade). E tudo tem preço compatível, razoável. Depois, procure as mesmas coisas no Brasil. Os “autores” (que pirateiam boa parte do que vendem) querem arrancar seus olhos, levar seu carro, sua casa e, se vacilar, valendo a pena, sua esposa também. E se não tomar cuidado, você vira escravo deles.

Resultado: acabo comprando produtos estrangeiros (em código aberto) e encaro o trabalho de traduzir o que é preciso. Paciência. Antes isso do que pagar caro pelo que não vale metade do que custa. É assim para quase tudo, pois quem produz, aqui, tem um sócio que não faz nada e morde grande, o Governo.

O Skype, que antes custava R$ 14,95 por mês concedendo 400 minutos de conversa telefônica, agora tem um imposto de 33% (trinta-e-três-por-cento, entendeu?) que é do Governo que não faz nada. Não uso mais, oras bolas, não sou pai de pançudo! Querem dinheiro? Vão trabalhar!

Aqui, quando você precisa de assistência ou orientação sobre alguma coisa que comprou, ou fica ouvindo gravações, ou é atendido por idiotas dos serviços terceirizados de “suporte técnico”. Logo acaba preferindo perder o dinheiro que gastou a ficar ouvindo abobrinhas. Quem, supostamente, poderia lhe dar uma resposta aceitável é covarde, não atende ligações, se esconde. Se ocupar cargos mais altos, então, esqueça, você jamais terá acesso àquelas pessoas.

Resumindo: lembro-me da morte de John Kennedy, de Martin Luther King, do início dos Beatles e também do Presidente Charles De Gaulle, todos da década de sessenta do século passado. E, já naquela época, não vi nenhum absurdo na frase atribuída ao Presidente francês, afinal, sinceramente, por acaso o Brasil é um país sério?!

Sérias são algumas pessoas, verdadeiras exceções, que aceitam a crítica e baixam suas cabeças de vergonha porque sabem que não têm razão em contestar, e são minoria comparados aos “espertalhões” que só querem nos lesar. O que é uma pena, pois o Brasil, como território, é lindo, tem muitas qualidades que outros países não têm. O que estraga é o que está em cima dele, os gorgulhos, esses bichinhos que reduzem tudo a pó quando não conseguem enfiar nos próprios bolsos.

Bando de vermes! Podem continuar pressionando e fazendo o valor do dólar subir, nós não temos escolha (e talvez nem queiramos ter). Certas coisas continuarão sendo compradas no Exterior até que os brasileiros criem vergonha na cara e comecem a trabalhar de verdade. Até lá, que morram sufocados em sua ganância!

E tomara que isso aconteça logo!

 

Artigos relacionados

Leia também

Close
Close
%d blogueiros gostam disto: