Internet

As pragas do século XXI – SPAM

Diariamente, tenho motivos para pensar em escrever sobre este tema, o SPAM. E, provavelmente, você também.

Essa maldita prática que já nos atormentava antes de inventarem os proliferadores automáticos de mensagens, agora é legal. Isso mesmo, é amparada por lei, graças aos idiotas que são colocados lá em Brasília como “legisladores” e só sabem fazer caca pensando em si mesmos e em como assegurar votos para sua reeleição.

Resolvi dar uma olhadinha na internet para ver se encontrava alguma útil sobre o SPAM. Achei um blog interessante, o hypescience.com, que reproduzia um artigo do lifeslittlemysteries.com. Separei os trechos que julguei importantes mencionar aqui:

“Você sabe quando a praga começou? Sim, ela tem data: o primeiro e-mail de spam do mundo foi enviado há 33 anos, no dia 3 de maio de 1978.

A famosa jogada de marketing, um anúncio dos últimos modelos de computador disponíveis, chegou à caixa de entrada de cerca de 600 pessoas, através de uma rede que ligava computadores do governo e de universidades.

gary-thuerk-father-of-spamO nome da pessoa que hoje muitos desejam morto é Gary Thuerk. Ele, que era gerente de marketing da empresa Digital Equipment Corporation, queria fazer propaganda de seus novos negócios, lojas em Los Angeles e San Mateo, Califórnia, EUA. (…)

A lista de convites para a inauguração continha cerca de 600 pessoas (…). Gary teve a brilhante ideia de enviar todos os convites de uma vez, ao invés de escrever a cada pessoa individualmente. (…)

Compreensivelmente, a maioria das pessoas que receberam o e-mail não solicitado respondeu negativamentecomo ocorre até hoje. Mas Gary conseguiu fazer algumas vendas (…). Infeliz Gary Thuerk.”

De certa forma, me senti melhor ao saber que não sou o único a odiar SPAM.

O SPAM é um penetra eletrônico, ele entra na sua caixa postal sem ser convidado. Porém, o mais nocivo não é o SPAM em si, mas, aqueles que se valem de robôs da internet para capturar seu endereço eletrônico onde quer que ele apareça.

Inversão de valores

spam_cgiHoje, centenas de DESOCUPADOS que fingem trabalhar, entulham nossas caixas postais oferecendo esse desserviço “a preços módicos” com o intuito de enviar milhões de mensagens para quem jamais as desejou. E o pior é que certas empresas, que deveriam se preocupar com sua imagem, acabam aumentando o prestígio daqueles desgraçados que surrupiaram seu endereço eletrônico de algum espaço que não lhes pertence. Isso deveria ser crime, e não é!

Pouquíssimas e paupérrimas medidas foram sugeridas no âmbito político para amenizar a prática do SPAM, já que não se sabe se seria possível eliminá-la por completo.

Poucos sabem que o Comitê Gestor de Internet no Brasil tem campanhas sobre este assunto.

Aí você corre para vê-las, querendo encontrar uma indicação que o ajude a se livrar do aborrecimento, e encontra este consolo: “Deve-se reclamar de spams para os responsáveis pela rede de onde partiu a mensagem.”

Compreendamos melhor o que significa a orientação:

Você não deve, nem vale a pena, reclamar para o remetente da mensagem. Bobagem. Se pensar em reclamar com o sujeito que contratou o desserviço, vai perder tempo. Ele pagou por isso e não vai querer perder o que investiu. Não existe nenhum departamento na Polícia que possa ajudá-lo – será difícil encontrar um policial que saiba sobre o que você está falando. Mas, admitindo que você encontre alguém que poderia apoiá-lo (vamos supor que você conheça um Deputado ou um Senador da República), ele dirá que “de acordo com a Lei número tal, de mil novecentos e qualquer coisa, se as mensagens que você recebeu lhe dão a opção de remover seu nome da lista de distribuição, isso não pode ser considerado SPAM“.

Só bobagem

Minha rotina diária inclui a leitura de e-mails, e sempre encontro minha caixa postal abarrotada de mensagens de propaganda, não apenas de lojas, mas de pessoas que acreditaram nas propostas miraculosas de “empresas” que têm fórmulas mágicas para emagrecer, de desocupados que oferecem o envio de SPAM, associações, lojas maçônicas e mais um monte.

Os filtros do Outlook não barram essas mensagens. Você precisa atualizá-los todos os dias com novos endereços de remetentes que você deseja barrar. Os serviços de e-mail gratuitos (GMail, Yahoo!, por exemplo) são mais inteligentes e conseguem separar em uma caixa própria o que é SPAM. Se o remetente enviou a mesma mensagem para um grande número de destinatários, é SPAM. Lógico, não?

Então, exercitando a minha paciência, perco cerca de 20 minutos para abrir todas as mensagens da caixa de SPAM, procurar o link para remover meu nome e seguir os procedimentos recomendados. Veja alguns exemplos (mas, continue lendo depois das imagens):

optout1

 

optout2

 

optout3

 

optout4

 

optout5

 

Perda de tempo

Você acha que isso resolve? Claro que não. Esse pessoal continua enviando SPAM (inclusive do mesmo cliente) para mim. De vez em quando percebo que deixei de receber mensagens promocionais de uma determinada empresa, mas há outra – que contratou o mesmo spammer – cujas mensagens chegam a rodo. Então, tenho que continuar perdendo meu tempo para fazer o “otp-out” (pedido de remoção do meu nome da lista de distribuição).

É um avilte, um absurdo! Temos que reivindicar leis mais rígidas para esse tipo de prática, pois, somando o tempo que todos gastamos só para eliminar o SPAM de nossas caixas postais, o Brasil está perdendo muito! E nós também!

conclusao

Artigos relacionados

Leia também

Close
Close
%d blogueiros gostam disto: